domingo, 1 de dezembro de 2013

Athletic Bilbao x Barcelona: Muito mais que um jogo



Desde que o Campeonato Espanhol foi instituído, na temporada 1928/29, apenas três clubes estiveram presentes em todas as edições da Primeira Divisão. Real Madrid, Barcelona e Atlhetic Bilbao são os recordistas. Os únicos que jamais caíram de divisão. Não por acaso, são, também, os maiores campeões do futebol espanhol (lista a que se junta o Atlético de Madri). Mas não é apenas a tradição nas competições internas que torna o clássico Athletic vs. Barcelona um confronto especial. Quando entram em campo, estes dois clubes deixam de ser meros times de futebol. Envergam, em suas camisas, o orgulho de dois povos. Uma partida entre Athletic e Barça é muito mais que um jogo, trazendo consigo um simbolismo enorme. Ambos são verdadeiros ícones. São dois grandes símbolos das resistências nacionalistas do País Basco e da Catalunha. Um confronto entre Leones e Culés é o expoente máximo da resistência de dois povos que não se conformam e se recusam a se subjugarem ao poder central espanhol. Às 16h (horário do Recife) de hoje, no Novo San Mamés, Athletic e Barcelona escrevem mais um capítulo desta história centenária.

Em sua terceira passagem como treinador do Athletic, Ernesto Valverde reassumiu os bascos para substituir o argentino Marcelo Bielsa. Mas antes do início da temporada 2013/14, Valverde teria, supostamente, rejeitado uma oferta do Barcelona - os catalães ainda não haviam contratado o argentino Tata Martino. Já comprometido com o clube bilbaíno, onde jogou nos anos 1990, Valverde se manteve fiel ao projeto traçado junto com a diretoria do Athletic e disse não ao todo poderoso Barça.

O experiente técnico, três vezes campeão grego com o Olympiakos, tem conduzido os Leones em uma campanha consistente. Atualmente, a equipe ocupa a quinta colocação, na perseguição direta ao Villareal, quarto colocado, na briga pela última vaga espanhola na Liga dos Campeões. De fora das competições europeias, o Athletic tem se concentrado no Espanhol e só perdeu uma vez nas últimas oito partidas. A derrota aconteceu na 12ª rodada, frente ao Atlético de Madrid, e desde então acumula duas vitórias. Em casa, no recém-inaugurado “Novo” San Mamés - palco do confronto de hoje -, os bascos ainda não conhecem o sabor da derrota. Em sete jogos, foram cinco vitórias e dois empates.

Sólida é a trajetória do Barcelona no Espanhol. Os azuis e grená lideram a competição de forma invicta, com 13 vitórias e apenas um empate, ao fim de 14 rodadas. Derrotado pelo Ajax, na última terça-feira (26), em jogo válido pela Liga dos Campeões, o Barça vai a Bilbau disposto a fazer com que o Athletic pague a fatura pela perda de invencibilidade na Champions. O técnico Tata Martino, que disse que o time precisa refletir acerca de suas oscilações na temporada, ainda não poderá contar com Messi, que segue em tratamento de lesão na coxa. Mais uma oportunidade para que Neymar tente vicar seu espaço no time catalão.

Os reis de Copas
O Real Madrid continua sendo o maior campeão espanhol de todos os tempos - 32 títulos, contra 22 do Barcelona e oito do Athletic. Mas quando o assunto é Copa do Rei, o segundo torneio nacional da Espanha, são catalães e bascos que dominam o cenário. Até 1998, o Athletic tinha mais Copas, com 24 conquistas. Feito igualado pelo Barcelona naquele ano. Na temporada 2008/09, as duas equipes se enfrentaram na grande final, no jogo que ficou marcado pela definição de qual clube seria coroado o “Rei de Copas”. Antes da bola rolar, bascos e catalães, que lotavam o estádio Mestalla, em Valência, vaiaram em uníssono o hino espanhol. No jogo, o Barcelona venceu, de virada, por 4 a 1 e tomou o posto de maior campeão de Copas.

Em 2012, nova decisão da Copa entre os dois clubes. E, mais uma vez, a final foi marcada por protestos. Primeiro, pelo local escolhido. O estádio Santiago Bernabéu, em Madri. Barcelona e Athletic se recusavam a jogar no campo do Real Madrid, clube que sempre foi associado ao centralismo do fascismo de Franco. A Federação manteve o jogo na capital do Reino espanhol, porém alterou o local do jogo para o Vicente Calderón, do Atlético. Nas redes sociais, foram compartilhadas imagens com as bandeiras basca e catalã, um apito com o símbolo de proibição à coroa e escrito, nas duas línguas: “Bascos/Catalães não têm rei”.

No dia da final, já dentro do estádio, bascos e catalães mais uma vez se uniram. Os torcedores do Athletic levaram ikurriñas, bandeiras da Euskal Herria, e os aficionados do Barcelona levaram a senyeras, bandeiras da Catalunya. O objetivo era demonstrarem seus sentimentos nacionalistas. Com a bola rolando, nova vitória do Barça - 3 a 0 - e os Culés se consolidaram como “Reis de Copas”, com 26 títulos, dois a mais que os bascos.

Principais títulos

Barcelona

4
ligas dos campeões

2
mundiais de clubes

22
campeonatos espanhóis

26
copas do rei

Athletic

8
campeonatos espanhóis

24
copas do rei

Histórico de confrontos

194
jogos

95
vitórias do Barcelona

31
empates

68
vitórias do Athletic

Confrontos em Bilbau
98
jogos

49
vitórias do Athletic

20
empates

29
vitórias do Barcelona

3 anos
última vitória do Barcelona em Bilbau

7 anos
última vitória do Athletic sobre o Barcelona



O novo San Mamés

7
jogos

5
Vitórias do Athletic

2
empates

14
gols marcados pelo Athletic

7

gols sofridos pelo Athletic

Um comentário:

  1. Arretado Emanuel Leite Jr., são os dois dos clubes que mais respeito e admiro, é realmente mais do que uma partida de futebol, são mais que clubes, são símbolos de resistência e nacionalismo de suas regiões. excepcional texto mais uma vez.

    ResponderExcluir